Recomendações: proteja-se a si e à sua família e amigos. Use máscara em locais fechados. Lave as mãos com frequência. . . .

Papa Trilhos® - Fernão Ferro/Seixal

Os Papa Trilhos surgiram a partir de um grupo de amigos que têm em comum o gosto pelo BTT e cujo o lema é "Pedalar com a Natureza".

Aos domingos de manhã alguns elementos da equipa e outros amigos juntam-se para ir pedalar. Por isso se também quiseres ir pedalar, aparece no Parque das Lagoas de Fernão Ferro/Seixal (largo das festas populares - GPS 38,557800º -9,091630º), aos domingos, 08.00h (horário de verão), 08.30h (horário de inverno). Vê a mensagem de
"Ponto de Encontro" publicada todas as semanas onde são agendadas as voltinhas e passeios dessa semana. Uso obrigatório de capacete.
Contactos: papatrilhosbtt@papatrilhos.com

Nota: os participantes em voltinhas ou eventos Papa Trilhos aceitam a cedência dos direitos de imagem nas fotos tiradas para publicação no site.

Calendário Papa Trilhos

Iniciativas Papa Trilhos

- eventos e passeios - consultar calendário.
- Renovação Seguro FPCUB para 2020 - consulta.
- TransAlgarve 2020 by Papa Trilhos - CANCELADO.





domingo, 20 de setembro de 2020

Ciclovias por Lisboa - 2020-09-13 - 50Km

Reportagem por Paulo Alex

Iniciámos a nossa manhã domingueira um pouco mais cedo que o habitual. Tínhamos programado uma voltinha até Lisboa para ver o estado de arte das ciclovias. Para tal, tínhamos ainda de apanhar o comboio, e por isso saímos do Parque das Lagoas às 07.15h em direcção ao Fogueteiro. Já a estação, tivemos alguns percalços na entrada da estação, com a necessidade de nos dividirmos por 2 comboios.

Chegados a Lisboa, saímos na estação de Campolide. À nossa espera tínhamos uma surpresa do ex-Papa Trilho Rui João, que nos acompanhou até Monsanto. Nós seguimos para junto a Montes Claros termos o 1º furo. 

Após uma breve pausa, começamos a descer até Belém, onde desfilámos em frente ao Jerónimos e fomos admirar a Torre de Belém para registarmos o momento fotograficamente para memória futura.


Com pouco sobe e desce até aqui, seguimos pela ciclovia sempre junto ao rio até ao Terreiro do Paço. O programa dizia que íamos visitar a Sra da Graça e para tal, teríamos então de subir. Não havia ciclovia, por isso fomos pela estrada normal com atenção para as armadilhas dos ciclistas e outros amantes de 2 rodas, os carris dos eléctricos. Num recanto mais elevado, a bike da Sandra resvalou no carril e a queda foi inevitável. Com a recuperação possível, lá subimos mais um pouco para admirarmos as vistas.


Com o almoço em mente, descemos até Sta Apolónia e seguimos sempre a direito pela ciclovia até à Expo. O restaurante estava preparado e fizemos a paragem obrigatória para o almoço. O restaurante "Pitéu" recebeu-nos bem e desfrutámos do menu já previamente possível na explanada com vista para a marina.

O vento começou a aparecer e adivinhava-se um regresso diferente da manhã. O sol foi-se escondendo aos poucos e nós lá prosseguimos com o programa, saindo da Expo para a Av. de Berlim, sempre em ciclovia, entrando depois no Vale do Silêncio, local obscuro à uns 30 anos atrás. Agora vemos um jardim com uns optamos relvados para piqueniques, descanso e desporto.

Atravessámos a zona do Olivais em direcção à zona da feira do relógio, onde, por ciclovia, atravessámos provavelmente as únicas vinhas de Lisboa. É verdade, vinhas em plena cidade de Lisboa.

A ciclovia levou-nos depois pela Av. do Brasil, para no jardim do Campo Grande virarmos para Entre-Campos e seguimos pela Av. da Republica para no Saldanha virarmos para S. Sebastião até ao alto do jardim D. Amália. Daqui até Campolide seria sempre a descer e ainda apanhámos o comboio com o pessoal a distribuir-se por 2 estações para facilitar o embarque no comboio.

Chegados ao Fogueteiro, ainda forçámos uma paragem no Marinheiro para abastecimento liquido depois de um dia diferente por várias ciclovias de Lisboa.

Sem comentários:

Publicar um comentário